Olá, Visitante!

28 de Abril de 2017

ARTISTA Abraham Palatnik

Texto: Bolsa de Arte/Renato Rosa



[Cotações]
Abraham Palatnik 1928, Natal, RN

Biografia: Abraham Palatnik é um dos artistas pioneiros da arte cinética internacional. Iniciou seus estudos em arte em Tel-Aviv, Israel, onde morou com sua família entre 1943 e 1947, lá, estudou pintura, desenho e história da arte no Instituto Municipal de Arte de Tel-Aviv, e nas escolas Herzlia e Montefiori. Tornou-se especialista em motores de explosão. Estudou pintura e História da Arte com Aron Avni, escultura com Sternshus, e estética com Shor e Mário Pedrosa. Regressando ao Brasil, recebe orientações de Mário Pedrosa, e a partir de 1949 inicia suas pesquisas com efeitos luminosos e movimento. Nesse período, acompanhado de Ivan Serpa e Almir Mavignier, visita no Rio de Janeiro, os internos do Engenho de Dentro, entidade dirigida pela psiquiatra Nise da Silveira. Entre 1954 e 1956 integra o Grupo Frente, ao lado de Mavignier e Serpa. Sempre considerado pioneiro e transgressor, sua produção artística é ímpar no panorama artístico nacional desde a I Bienal Internacional de São Paulo, 1951, quando recebe menção especial do júri internacional. Ao invés de uma pintura ou escultura, Abraham Palatnik exibia naquele certame seu primeiro “Aparelho Cinecromático”, ou seja, a ação de uma “máquina pictórica”, uma ousadia para a época, quase foi recusado. Em suas obras, tecidos sintéticos, motores, luzes e a interação com o espectador “...no ambiente são os elementos que estruturam a obra”. O que torna singular o trabalho de Abraham Palatnik “...é o uso que ele faz da tecnologia e suas possibilidades inovadoras. Não se trata de uma arte que está a serviço da técnica, mas sim de um olhar atento que sabe retirar dos materiais mais diversos toda sua potencialidade poética....”. Em depoimento ao crítico Roberto Pontual, disse Palatnik que “há certas condições naturais que impressionam o homem, e cabe ao artista mostrá-las. Por isso, pretendo atingir os sentidos, ativando a percepção”. Participou da I Exposição Nacional de Arte Abstrata, Petrópolis, RJ, 1953; II, III, V, VI, VIII, IX, Bienal Internacional de São Paulo (entre 1953 e 1967); XXXII Bienal de Veneza, Itália, 1964; Salon Comparaison, Paris, França, 1965; Luz e Movimento, Berna, Suíça, 1965. Expôs individualmente em museus e galerias profissionais em Munique, Alemanha; Washington e Nova Iorque, USA; Buenos Aires, Argentina; Rio de Janeiro e São Paulo. Participou como artista convidado da I Bienal do Mercosul, Porto Alegre, RS, 1997. Conquistou o prêmio Life Time Achievement, da Society for Art and Science and Technology, San Francisco, CA, USA, 2006. Atualmente seus trabalhos circulam por todo o mundo, tendo participado da exposição “Lo(s) Cinetico(s)”, Centro de Arte Reina Sofia, Madrid, Espanha, em 2007. Hoje o artista desfruta de um lugar próprio na história da arte brasileira e internacional.  Vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Referências: AYALA, Walmir. Catálogo Galeria Barcinski, Rio, 1971, BARDI, Pietro Maria. “Profile of the New Brazilian Art, Kosmos Editora, 1970; Itaú Cultural; PONTUAL, Roberto. “Dicionário das Artes Plásticas no Brasil”, Ed. Civilização Brasileira, 1969; PONTUAL, Roberto. “Arte Brasileira Contemporânea – Coleção Gilberto Chateaubriand”, Ed. Jornal do Brasil, 1976; VALADARES, Clarival. Catálogo Petite Galerie, Rio, 1965;  SEFRIN, André. Catálogo Bolsa de Arte do Rio de Janeiro, 2006.  

ok