HENRY CHAMBERLAIN (1796, ?, Inglaterra - 1844, Bermudas, Reino Unido)

BIOGRAFIA:

Oficial da Marinha, pintor e desenhista amador, era filho de Henry Chamberlain, que atuou como cônsul da Inglaterra no Brasil, de 1815 a 1829. Esteve no Brasil cerca de dois anos, entre 1819 e 1820. No seu regresso a Londres, em 1822 publicou um álbum de águas-tintas intitulado Wiews and costumes of the city and neigh-bourhood of Rio de Janeiro, Brazil, from drawings taken by Lieutenant Chamberlain, Royal Artillery, during the years 1819 ans 1820, with descriptive explanations, no qual, junto ao seu trabalho, aproveitou alguns desenhos do português Joaquim Cândido Guillobel. Em estudo de 1942, o fato figurou-se como plágio a Alberto Rangel, mas Gilberto Ferrez afirmou ser uma prática comum à época. Integra, entre outros acervos, o do Museu de Arte de São Paulo e o do Instituto Moreira Salles, que possui atualmente o Highcliffe Album, organizado por Charles Landseer. Em 1999, o material do Highcliffe foi exposto em São Paulo (Fundação Maria Luísa e Oscar Americano) e no Rio de Janeiro (Centro Cultural Banco do Brasil) na mostra Brasil 1825-26: Charles Landseer e a missão britânica e trabalhos de Burchell, Chamberlain e Debret.

REFERÊNCIA:

Vistas e costumes da cidade do Rio de Janeiro e suas cercanias (Kosmos, 1943), de Henry Chamberlain, tradução e introdução de Rubens Borba de Moraes; A muito leal e heróica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (Raymundo de Castro Maya, Candido Guinle de Paula Machado, Fernando Machado Portella, Banco Boavista, 1965), textos e organização de Gilberto Ferrez; 150 anos de pintura no Brasil: 1820/1970 (Ilustrado pela coleção Sergio Fadel, Colorama, 1989), de Donato Mello Júnior, Ferreira Gullar e outros; Pinturas & pintores do Rio Antigo (Ilustrado pela coleção Sergio Fadel, 1990), textos de Paulo Berger, Herculano Gomes Mathias e Donato Mello Júnior; Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro (Garnier, 4. ed. 1991), de Joaquim Manuel de Macedo; Museus Castro Maya (Agir/Banco Boavista, 1994); Biblioteca Nacional: a história de uma coleção (Salamandra, 1997), de Paulo Herkenhoff; Arte na América Latina (Cosac & Naify, 1997), de Dawn Ades; Iconografia paulistana do século XIX (Metalivros, 1998), de Pedro Corrêa do Lago; O Brasil dos viajantes (Objetiva/Metalivros, 3. ed. 2000), de Ana Maria de Moraes Belluzzo.  

Texto: Bolsa de Arte/André Seffrin