HILDEBRANDO DE CASTRO (Olinda, PE, 1957 )

foto do artista

Texto: Internet/Divulgação

BIOGRAFIA:

Pintor e desenhista

 

Hildebrando de Castro é um artista autodidata, Hildebrando de Castro iniciou sua produção artística no final dos anos 1970, criando desenhos e pinturas que impressionam pelo preciosismo da execução. Sua primeira exposição individual realizou-se em 1980, no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, onde apresentou uma série de desenhos figurativos. Após o uso do lápis de cor, o artista passa a trabalhar com o pastel seco, empregando esse material durante exatos quinze anos  quando, em 1999, dedica-se à tinta a óleo. Muda-se para Nova York, onde reside por 11 anos e dedica-se ao aprimoramento do óleo sobre tela, voltando a atingir os mesmos resultados precisos que conseguira com o pastel. Nos anos 1990, sua produção é marcada pela representação de figuras comuns ou excêntricas, dramatizadas e retratadas de forma extravagante. O enquadramento e a luz da fotografia são referência para o desenvolvimento de suas pinturas. “Impossível não se deixar envolver pela beleza estranha destes quadros. Técnica e formalmente são obras admiráveis, que revelam o virtuosismo do autor. Estas imagens revelam uma visão de mundo particularíssima, configuram um universo absolutamente pessoal, o que não quer dizer intimista ou confessional”, escreveu o crítico Frederico Morais, na ocasião da mostra de Hildebrando na galeria Camargo Vilaça, em 1997. Nos anos 2000, o artista pinta retratos de rostos difusos, paisagens indefinidas e brinquedos apresentando uma certa morbidez. Já a partir de 2010, desenvolve a série “Janelas”, representações fiéis e geométricas feitas a partir do uso de fotografias de fachadas de prédios urbanos. As pinturas, em acrílica sobre tela, expõem outra vez a fatura minuciosa e o virtuosismo de Hildebrando, que então estabelece vínculos com o construtivismo e suas vertentes. Selecionando as individuais mais importantes de sua carreira, destacam-se: Galeria Oscar Cruz, São Paulo (2011); Galeria Amparo 60,Recife (2011); Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro (2010 e 2008); Paço das Artes, São Paulo (2009); Casa Triângulo, São Paulo (2004); Faygold Gallery, Atalnta, EUA (2003); Paço Imperial, Rio de Janeiro (1998); Galeria Camargo Vilaça, São Paulo (1997); Ear McGrath Gallery, Nova York, EUA (1996); Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro (1995). Entre as coletivas, destacam-se: Léo Bahia, Belo Horizonte; Itaú Cultural e Arte Viceral, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (2004); Subversão dos Meios, com curadoria de Maria Alice Milliet, Itaú Cultural; Casa Triângulo, São Paulo (2003); Desenhos , Galeria Camargo Vilaça, São Paulo (2000); Haus de Kulteren Der Welt, Berlim, Alemanha; Paço Imperial, Rio de Janeiro (1998); Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu de arte Moderna, Rio de Janeiro e em Salvador; Excesso, Paço das Artes, São Paulo (1996); A Figura Humana Além das Artes Plásticas, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro (1995). Entre os prêmios, estão: Prêmio Aquisição, Instituto Brasileiro de Arte Contemporânea do Rio de Janeiro (1995); Primeiro Prêmio (1986) na Faber Castell Exhibition, Museu de Arte de Nuremberg, Alemanha; Primeiro Prêmio (1985), Salão Carioca, Rio de Janeiro. Participou de mostras coletivas no Museu de Arte Moderna (de São Paulo e Rio), Haus Der Kulturen Der Welt (Alemanha), Nuremberg Museum (Alemanha), entre outras. O artista vive e trabalha em São Paulo. Sobre o trabalho do artista, assim manifestou-se a curadora Denise Mattar em “Hildebrando de Castro, ilusões do real”: “Hildebrando de Castro tem uma trajetória singular, solitária e inteiramente pessoal. Autodidata, sempre teve a ousadia de pintar o que lhe interessa, de tratar obsessivamente um tema e passar a outro assunto quando o considera esgotado. O artista brinca com o desafio de criar a ilusão da realidade, e seu trabalho impressiona pela perfeição da execução - em qualquer uma das técnicas que utiliza. Sua obra é essencialmente narrativa, mas suas histórias não espelham a realidade, elas evocam um mundo paralelo - que o artista enxerga colado ao real. E Hildebrando vê coisas incríveis: a crueldade presente num espeto de corações de galinha, a perversidade inerente ao mundo infantil, a estranheza de seres humanos fantásticos, a agudeza por trás de um olhar flagrado, a impregnação da personalidade num retrato sem foco, a beleza aterrorizante da natureza nas suas manifestações de força. na sua pesquisa mais recente Hildebrando detém a luz que brinca sobre a arquitetura. Fixa sombras, revela detalhes e acentua contrastes. Daí resultam imagens quase concretistas, mas seu trabalho não se esgota na forma, pois, transcendendo a geometria, guarda de forma velada a presença humana que as criou. Sem se deixar guiar por regras ou modismos o artista se impõe como um dos mais originais e criativos do cenário artístico nacional”. 

REFERÊNCIA:

Bibliografia:

Castro, Hildebrando de. Hildebrando de Castro. Tradução Paulo Andrade Lemos; texto Maria Alice Milliet. Rio de Janeiro : Centro Cultural Banco do Brasil, 1995.

Hildebrando de Castro. Texto de Frederico Morais. São Paulo: Galeria Camargo Vilaça, 1994.

Mostra Christian Dior de Arte  Contemporânea, Rio de Janeiro, 1986. Pintura 1986. Apresentação de Nadine Vandermarcq. Textos de Casimiro Xavier de Mendonça, Frederico de Morais e Marc Berkowitz. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1986.

Salão de Baiano de Artes Plásticas, 1., Bahia, 1988. Catálogo. Prefácio de José Carlos Capinam. Apresentação de Florisvaldo Mattos. Introdução de Zivé Giudice. Salvador: s. ed. , 1988.

Salão Paulista de Arte Contemporânea, 3. , São Paulo, 1985. Catálogo. Apresentação de Jorge da Cunha Lima. São Paulo: Fundação Bienal, 1985.

Hildebrando de Castro. In: Enciclopédia  Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural.

Texto: bolsa de Arte/Renato Rosa/Enciclopédia Itau/Internet