SÔNIA EBLING DE KERMOAL (1926, Taquara, RS - 2006, Rio de Janeiro, RJ)

BIOGRAFIA:

Entre 1944 e 1951 estuda na Escola de Belas Artes do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Muda-se para o Rio de Janeiro. Expõe no Salão de Arte Moderna, Rio de Janeiro e conquista o prêmio “Isenção de Júri”. Expõe na 1ªBienal de São Paulo. Participa de 1952 a 1955 do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, no qual recebe, em 1955, o Prêmio de Viagem à Europa. Passa a figurar com obras no acervo do Museu de Belas Artes, Rio de Janeiro. Expõe na III Bienal de São Paulo. Realiza o “Monumento à Mãe” para o Rotary Club do Rio Grande do Sul. Entre 1956 e 1959 reside em Paris, estuda com o famoso escultor Zadkine e faz viagens de estudos pela Europa expondo em diversos países. Expõe no “Salon de la Jeune Sculpture”, Musée Rodin, Paris e recebe Medalha de Prata na Exposição Pan-Americana, Porto Alegre, RS. .Expõe na Bienal de Arte Tri-Veneta, Pádua, Itália e realiza exposição individual na Galeria GEA, Rio de Janeiro. Em 1961 e 1962 expõe no “Salon des Petits Bronzes” no “L’Art Latino” – Américain”, MAM, Paris e no “Forme et Magie” no Bois de Boulogne, Paris e  no Museu de Kassel, Alemanha, representando o Brasil. Participa da Exposição Internacional de Escultura no Musée Rodin, Paris, como representante brasileira. Realiza, em 1962, individual na Galerie Neufville, Paris. Participa novamente do “Salon des Petits Bronzes”, no Museu de Arte Moderna, Paris e de uma coletiva em Kassel, Alemanha. Expõe na Galerie XXème Siècle, Paris e no “Salon de la Jeune Sculpture” no Musée Rodin, Paris. Segue participando de incontáveis mostras coletivas e individuais na França e em outros países europeus durante as décadas de 1960 e 1970 como “Formes et Magie”, Bois de Boulogne, Paris, Salon Donner A Voir Troisiéme, Paris, Galerie Creuse, Paris, Salon de Réalités Nouvelles, Paris, Centro Internacional de Artes Visuais, “Escultura Campestre”, Paris,"51 escultores – 19 nações", Sônia Ebling e Fayga Ostrower em Berlin, Alemanha, Rathaus, Berlin, Kreuzberg, Alemanha. Conquista bolsa de estudos da Fundação Calouste Gulbenkian. Participa ainda do Salon de la Jeune Sculpture, Musée Rodin, Paris, Salon Comparaison, Paris, Galerie Cavalero, Cannes, França e da VII Bienal de São Paulo. Expõe no Musée Galliera, Paris, Hotel Drouot, Paris e em 1967, realiza individual de relevos na Galeria Bonino, Rio de Janeiro. Expõe, individualmente, em 1969, na Galeria do IAB,  Porto Alegre, RS e recebe o Prêmio de Viagem ao Brasil, no Salão Nacional de Belas Artes. Expõe, individualmente, na Pan- Americana Union, Washington, Estados Unidos e no Trade Bureau, Nova York. Executa relevo de 3 x 3 m para o Palácio dos Arcos, no Ministério das Relações Exteriores, Brasília. Nos anos 1980 participa da mostra, Arte Brasileira do Século XX – Coleção Gilberto Chateaubriand (da qual faz parte), no Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro. Realiza em 1999 exposição no Teatro Nacional de Brasília, DF, curadoria de Marcus Vieira, divulgador de sua obra. Convidada para representar o Brasil na Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Florença, ganha Medalha de Ouro. Em 2000 abertura de exposição individual na Marcus Vieira Galeria de Arte Up em Belo Horizonte, MG. Em 2001, individuais no Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro e Palácio das Artes, Belo Horizonte. É convidada especial para representar o Brasil na Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Florença, Itália. Básicamente  escultora, além de relevos em concreto,   realizou algumas pinturas. Algumas fontes assinalam seu nascimento em 1918, outras em 1926.

REFERÊNCIA:

Roberto Pontual. Dicionário de Artes Plásticas no Brasil, Editora Civilização Brasileira, 1969. Renato Rosa e Decio Presser. Dicionário de Artes Plásticas no Rio Grande do Sul, Editora da Universidade, 1ª ed. 1997 e 2ª ed. 2000.

Texto: Bolsa de Arte/Renato Rosa