ArtRio 2018

12/set

 

26 a 30 de Setembro [September 26th – 30th]

Estandes A4 [Panorama] e S13 [Solo]. Marina da Glória, Rio de Janeiro

 

A Bergamin & Gomide tem o prazer de anunciar a sua 6ª participação na ArtRio. Este ano a feira contará com 59 galerias e vai acontecer na Marina da Glória.

 

Para essa edição, vamos apresentar uma cuidadosa seleção de grandes artistas brasileiros da década de 1990 como José Damasceno, Jac Leirner, Adriana Varejão, Ernesto Neto entre outros.

 

A obra sem título (1996) de Luiz Zerbini é talvez um dos principais destaques já que a música sempre foi um tema importante para o artista. Na tela podemos ver figuras dos integrantes do Chelpa Ferro (grupo artístico multimídia composto por Luiz Zerbini, Barrão e Sérgio Mekler) entre instrumentos musicais e caixas de som, cenário característico de suas pinturas figurativas.

 

Participaremos também do projeto solo, apresentando obras em papel de Mira Schendel de diferentes períodos da trajetória da consagrada artista.

 

 

Esperamos sua visita nos estandes A4 [Panorama] e S13 [Solo]!

 

Bergamin & Gomide has the pleasure to announce its sixth participation at ArtRio fair! This year, the fair will present 59 galleries at Marina da Glória.

 

For this edition, we will present a thoughtful selection of works by acknowledged Brazilian artists from the 1990’s such as José Damasceno, Jac Leirner, Adriana Varejão, Ernesto Neto among others.

 

The 1996 untitled work by Luiz Zerbini is perhaps one of the highlights since music was always an important theme in his body of work. In the painting we can see the members of Chelpa Ferro (multimedia group by Luiz Zerbini, Barrão and Sérgio Mekler) among musical instruments and speakers, a recurrent theme in the artist’s figurative paintings.

 

We will also be present at the Solo section, with an individual project of Swiss-born Mira Schendel works on paper from different periods of her prestigious career.

 

Come and visit us at stand A4 [Panorama] and S13 [Solo]!

Galeria Bergamin & Gomide na Semana de Arte 2018

31/ago

31 de Agosto – 3 de Setembro [August 31st – September 3rd]

Stand 07. Pavilhão das Culturas Brasileiras, Parque Ibirapuera, São Paulo

 

A Bergamin & Gomide tem o prazer de anunciar sua 2a participação na feira Semana de Arte (São Paulo). Este ano a feira contará com 43 galerias e vai acontecer Pavilhão das Culturas Brasileiras no Parque Ibirapuera.

Para essa edição, vamos apresentar uma cuidadosa seleção de xilogravuras, desenhos em nanquim e aquarelas do artista Oswaldo Goeldi (1895-1961). Internacionalmente reconhecimento por suas xilogravuras, a obra de Goeldi é um constante exercício de lucidez: é pela disciplina artística que aborda a estranheza do mundo.

“Pescadores” é talvez um dos principais destaques: a aquarela aborda, de maneira leve, um dos temas preferidos do artista: o mar.

Esperamos a sua visita no estande 07!

 

 

Bergamin & Gomide has the pleasure to announce its second participation at Semana de Arte (Sao Paulo). This year, the fair will present 43 galleries at the Brazilian Cultures Pavilion at the Ibirapuera Park.

For this edition, we will present a thoughtful selection of prints, drawings and watercolors by Oswaldo Goeldi (1895-1961). Internationally recognized for his print techniques, Goeldi’s body of work is a constant exercise of lucidity: it is through the artistic discipline that he engages in the world strangeness.

“Pescadores” [Fishermen] is perhaps one of the highlights: the watercolor approaches, in a soft way, one of the artist’s favourite themes – the sea.

Come and visit us at stand 07!

Almofadinhas no mBrac

16/abr

O grupo, formado por Rodrigo Mogiz (BH), Fábio Carvalho (RJ) e Rick Rodrigues (ES), três artistas que tem o bordado como ponto em comum de suas produções, participa neste mês de abril da Residência Artística CASA B, seguida de exposição no Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, mBrac, Rio de Janeiro, RJ, com abertura no dia 28 de abril. A exposição contará com trabalhos dos três “Almofadinhas”, tanto obras já existentes quando as que serão criadas durante a residência artística, junto a trabalhos de Arthur Bispo do Rosário, criando-se um diálogo simbólico entre a produção do grupo com a de Bispo do Rosário.

 

O grupo “Almofadinhas” surgiu em meados de 2015, quando os três artistas começaram a realizar conversas à distância, por meio das redes sociais, sobre as afinidades conceituais e imagéticas de suas obras. O convite para participar do programa partiu do curador do mBrac, Ricardo Resende, que também foi o curador da primeira exposição do grupo, realizada em 2017, em Belo Horizonte. Nesta nova edição a curadoria contará com Diana Kolker, gerente de educação do mBrac e coordenadora do programa de residências CASA B junto à Ricardo Resende.

 

Ricardo Resende, no texto para a exposição dos Almofadinhas em 2017, ao comentar o uso do bordado pelos artistas do grupo, afirma: “…têm essa linguagem como suporte do devaneio estético que dá um novo sentido ao gesto de bordar e, consequentemente, ao bordado. Enfeitar, adornar é um desvio da vida prática de resultados que pauta a tal sociedade do desempenho. Para Fábio Carvalho, Rick Rodrigues e Rodrigo Mogiz, o bordado permite uma experiência interior estética. Cada um à sua maneira, todos imprimem com o bordado a sua mensagem poética. 
 

Os três artistas têm necessidade dessa técnica ancestral de “enfeitar” tecidos. Usam a técnica para expressar visões do mundo e desde que se encontraram influenciam e interferem um no trabalho do outro. O resultado do que fazem com a técnica, como não poderia deixar de ser, é bonito, tocante e sedutor. Causam impacto pelas cores, pela delicadeza e, claro, quando mais se aproxima e com atenção redobrada para os trabalhos, descobre-se que não é só de estética que tratam. Surpreendem. Na verdade, causam estranhamento.

 

Mimetizam a beleza vista nos objetos de pano pois, de fato, leva-se um ‘susto’ quando se descobre o real motivo dos bordados, pois estamos acostumados com o bordado de enfeite. São questões ainda tabu para a humanidade o que abordam com seus trabalhos. Gênero, sexualidade, memória, família, guerras, violência e os costumes, a ambiguidade de ser sensível na sociedade contemporânea, subvertendo o universo cultural da feminilidade em suas poéticas. Os artistas aqui não são seres disciplinados, tão pouco conformados e, muito menos, ‘bonzinhos’. Não. Eles subvertem os modos, subvertem a própria arte ao fazerem da frugalidade dessa atividade, arte.” 

 

A Casa B – Residência Artística é o programa de residência da Escola Livre de Artes (ELA) do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea (mBrac), dedicado a artistas, curadora(e)s e educadora(e)s para o desenvolvimento de pesquisas e poéticas através do diálogo com a comunidade, o território e com outros programas desenvolvidos pelo museu. A criação do programa foi motivada pelo potencial artístico-cultural da Colônia, que registrou na sua história a passagem de importantes nomes na arte brasileira como Arthur Bispo do Rosário, Ernesto Nazareth, Stela do Patrocínio e, atualmente, os artistas que compõem o Atelier Gaia.
 
O Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea (mBrac) integra o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira, outrora uma instituição manicomial conhecida como Colônia Juliano Moreira, localizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro. O Museu é responsável pela preservação, conservação e difusão da obra de Arthur Bispo do Rosário – um dos expoentes da arte contemporânea, de reconhecimento nacional e internacional e que viveu internado na Colônia por 49 anos. Além de realizar exposições do acervo de Bispo do Rosário e artistas contemporâneos, a instituição toma para si o desafio de integrar arte e saúde, criando novas perspectivas sobre arte, educação e cuidado, e expandindo suas ações através da Escola Livre de Artes.

Almeida e Dale exibe Mestre Didi

06/abr

Tradição e contemporaneidade, religião e arte: a produção artística do baiano Mestre Didi (1917-2013) é permeada por dualidades. Um dos raros artistas afro-brasileiros a ter pleno reconhecimento da crítica de arte nacional e internacional, Didi possui um trabalho ligado aos objetos sagrados do culto do Candomblé e é comumente referido como sacerdote-artista. A partir do dia 07 de abril, a galeria paulistana Almeida e Dale, Jardins, São Paulo, SP, apresenta ao público “Mo Ki Gbogbo In – Eu saúdo a todos”, exposição que traz um breve panorama do percurso artístico deste soteropolitano. A mostra é realizada em parceria com a Paulo Darzé Galeria, de Salvador.

 

Com curadoria de Denise Mattar e Thaís Darzé, a exposição toma como título uma frase comumente usada por Mestre Didi, que sempre se propôs a juntar as diversidades, em busca da harmonia. A mostra reúne um conjunto de 48 obras do artista. O recorte curatorial valoriza os anos 1980, período áureo de sua produção, quando conseguiu imprimir sua marca pessoal e inventiva ao processo de recriação das tradições da cultura afro-brasileira. Mas há raridades como a escultura em madeira Yao Morogba, de 1950.

 

Batizado de Deoscóredes Maximiniano dos Santos, o artista foi um dos mais importantes sacerdotes afro-brasileiros do país, responsável por traduzir a visão de mundo africana e sua experiência de vida, utilizando a arte como suporte. “Expressões culturais de origem africana, em especial da região do Benin, se consolidaram em Salvador através de séculos de estratégias de sobrevivência, tornando-se presentes no cotidiano. É neste cenário de ebulição da cultura negra, nessa cidade que é berço do Candomblé e das tradições africanas e nesse contexto religioso ímpar que surge Mestre Didi com sua cosmovisão, que vai nas origens para dialogar com a atualidade”, afirma Thais Darzé.

 

Concebidas de acordo com uma sabedoria iniciática, suas esculturas possuem texturas, matérias, formas e cores específicas, cada qual com o seu significado. As formas de suas obras expressam a visão do mundo nagô, construído numa dinâmica de mobilização e circulação do axé, a energia vital. Suas elaborações, por sua vez, derivam dos emblemas dos orixás do Panteão da Terra: Nanã e seus três filhos míticos, Obalauaê, Oxumaré e Ossain.

 

“No Ocidente, somos herdeiros do pensamento racional, cartesiano e individualista, tomando-o como sinônimo da verdade. Durante muito tempo, apenas a arte ocidental era considerada Arte, posição prepotente ainda hoje preconizada por alguns setores do circuito artístico”, aponta a curadora Denise Mattar. “A cultura negra é plural, não compreendida como uma unidade oposta ao mundo exterior. Cada ser carrega em si a família, os ancestrais e as entidades divinas, trocando com seus pares a energia vital. Nesse sentido, a arte de Mestre Didi é uma expressão disso e integra-se, portanto, a essa cosmovisão”, completa.

 

A exposição traz também referências visuais, como ibirís e xaxarás originais, depoimentos de Mestre Didi, além de fotos de artistas com quem manteve relações ao longo da vida. Entre eles, Pierre Verger e Mário Cravo Neto. A ideia é proporcionar ao visitante um mergulho no imaginário afro-brasileiro. A mostra será complementada por um catálogo, publicação que reunirá não apenas obras da exposição, mas textos das curadoras e uma cronologia ilustrada.

 

 

De 09 de abril a 26 de maio.

A condição básica

04/abr

No dia 07 de abril, a Fundação Vera Chaves Barcellos, Viamão, RS, inaugura “A condição básica”, exposição coletiva que reúne trabalhos de mais de 30 artistas, entre brasileiros e estrangeiros, pertencentes ao acervo artístico da FVCB. A mostra conta também com obras dos artistas Elida Tessler e Guilherme Dable, especialmente convidados.

 

Fotografias, vídeos, serigrafias, livros de artista, obras gráficas e objetos, além de pinturas, esculturas e colagens integram a nova mostra com organização da Fundação Vera Chaves Barcellos que problematiza a questão da apropriação no universo das artes visuais na contemporaneidade.

 

 

Artistas participantes

 

Alejandra Andrade, Alfredo Nicolaiewsky, Ana Miguel, Anna Bella Geiger, Antonio Caro, Carlos Asp, Claudio Goulart, Elida Tessler, Enric Maurí, Fernando Alday, Guilherme Dable,  Guglielmo Achille Cavellini, Helena D’Avila, Hudinilson Jr, João Castilho, Julio Plaza, Klaus Gröh, Lenir de Miranda, León Ferrari,  Lia Menna Barreto, Lluís Capçada, Lurdi Blauth, Marlies Ritter, Nino Cais, Noemí Escandell, Patricio Farías, Sandro Ka, Telmo Lanes, Walda Marques, Vera Chaves Barcellos e Vilma Sonaglio.

Takesada Matsunani na Japan House

09/mar

Atividade infantil “Ponto de Contato”

 

Dia 11 de março, às 13h00

Faixa etária: de 6 a 12 anos

Duração: 15 minutos

Retirada de senha na recepção, ao meio-dia, no dia 11/03

 

Atividade infantil “Desenhos”

 

Dia 11 de março, às 13h30

Faixa etária: de 6 a 12 anos

Duração: 40 minutos

Retirada de senha na recepção, ao meio-dia, no dia 11/03

 

 

 

Endereço: Avenida Paulista, 52

 

Horário de funcionamento:

Terça-feira a Sábado: das 10h às 22h

Domingos e feriados: das 10h às 18h

 

Entrada gratuita

Lançamento da Cobogó 

05/mar

O livro “Carmela Gross” reúne a obra desta artista que “…teve a cidade e suas idiossincrasias transmutadas em diferentes trabalhos ao longo dos últimos 50 anos”. O livro é organizado pelo curador Douglas de Freitas e conta com textos dos críticos e curadores Luisa Duarte, Paulo Miyada e Clarissa Diniz. Uma edição da Cobogó.

No Baró Contêiner

28/fev

Galeria Baró, Jardins, São Paulo, SP, têm o prazer de apresentar “Refôrma”, exposição individual de Amanda Mei, no Baró Contêiner. Nela, as obras expostas giram em torno do conceito da reorganização e reequilíbrio de um modelo, matriz ou molde.

 

Segundo a própria artista: “Refôrma traz a experiência de devolver para a natureza uma geometria falha, um novo uso, um desvio da função original dos materiais por meio da ideia de artificio e camuflagem. A mostra é composta por pinturas e esculturas que tratam do equilíbrio entre elementos de formação do universo, com composições tridimensionais construídas pelo homem ou apropriadas diretamente da natureza. São combinações que se reorganizam de acordo com o meio em que estas se encontram, tal qual uma estrutura molecular ou um planeta.”

 

O conjunto de trabalhos trata da dinâmica dos movimentos de transformação e destruição, a ideia de progresso e sobrevivência. Estes pontos se colocam como um pacto entre o homem e a natureza – seja pelo embate dos diferentes materiais com o espaço físico, da tinta com a parede e dos visitantes com as obras. Os fragmentos de madeira, papelão, argila, tinta se transformam em formas tridimensionais e parecem crescer no espaço como uma arquitetura “não oficial” por um período determinado de tempo. Tais procedimentos refletem a ideia de camuflagem em relação ao deslocamento, função e transformação dos materiais.

 

 

De 03 a 31 de março.

Vergara no Rio Open Arte

23/fev

Criador do pôster oficial do Rio Open 2018, o artista Carlos Vergara apresentou a obra que deu origem ao cartaz, e também a escultura “3D Rio Open”, derivada do seu trabalho de criação. Vergara recebeu convidados no Rio Open Arte, espaço inédito criado para a 5ª edição do maior torneio da América do Sul.

 

Entre os que prestigiaram o evento estavam a curadora Vanda Kablin, o artista plástico Antônio Bokel, Sylvia e Carlos Alberto Gouvêa Chateaubriand, Juliava Silveira e João Vergara, filho do artista.

 

Para conceber o pôster, Vergara se inspirou em mais de 100 fotografias tiradas durante três dias no Jockey Club Brasileiro.

 

“Eu queria uma imagem à altura do torneio e da sua relevância. Que de cara fosse possível identificar o tênis. Por isso usei o saibro. Eu também adoro o “Desafio”, quando conferem se a bola foi dentro ou fora, então procurei retratá-lo. Sem falar que a quadra é abençoada pelo Cristo Redentor, então ele precisava estar presente. Com as sombras e as marcas na rede busquei a realidade da modalidade”, comentou.

 

Carlos Vergara, um dos maiores artistas contemporâneos do Brasil, gostou de ver um espaço de arte no ATP 500 do Rio. “Fiquei contente e orgulhoso com o convite para fazer o pôster, e acho maravilhoso ter um espaço de arte em um torneio desse porte. A arte tem que estar onde as pessoas estão”, disse.

 

O Rio Open Arte recebeu também alguns dos novos artistas que criaram obras exclusivas para a competição. As obras estarão à venda (através de leilão mudo) e o valor arrecadado será destinado aos projetos sociais apoiados pelo Rio Open. A curadoria de arte do foi realizada por Rafael Lacerda, responsável pelo RL Escritório de Arte, galeria cujo foco principal são novos artistas. O espaço tem obras do desenhista Isaias Klein, do artista plástico Luiz D’orey, do fotógrafo Pedro Peracio e do designer Thainan Castro.