Olá, visitante

AGENDA CULTURAL

NOVAS FOTOS DE RENAN CEPEDA

11/abr

No conjunto de 16 fotografias de diversos formatos na exposição individual que apresenta na Galeria Tramas, Copacabana, Rio de Janeiro, RJ, o fotógrafo Renan Cepeda traz novos pontos de vista da paisagem carioca. Em “Daqui se vê”, ele traduz em imagens que parecem ter a intenção de deixar velada a época em que foram realizadas, conferindo uma atmosfera de sonho e de atemporalidade, efeitos do filme infravermelho. O artista acredita que vive em uma cidade feia encravada num lugar naturalmente maravilhoso, que nunca vai se deixar dominar. A beleza vencendo o caos, um fenômeno que pretende provar ser possível. Renan Cepeda fotografou o Rio nesta última década com sua técnica especial. Seu trabalho não é demarcado por “fases”, ou seja, sempre que desenvolve uma técnica utiliza sua invenção para sempre. Assim é com as fotografias noturnas em light painting, material super premiado, que hoje é finalista do “World Photography Award 2012”.

De 12 de abril a 02 de maio.

O SILÊNCIO EM STELLA

10/abr

A exposição “… e quem te escuta é o silêncio”, de Stella Da Poian, artista bastante singular e de carreira consistente, entra em cartaz na Galeria de Arte Maria de Lourdes Mendes de Almeida, Universidade Cândido Mendes, Ipanema, a convite do curador Paulo Sérgio Duarte, um admirador de sua trajetória. A artista apresenta 15 trabalhos a óleo, alguns de grandes dimensões, marcados por uma técnica expressiva e recorrente em sua obra:  recorte da tela pronta, colagem e intervenções posteriores.

O título da exposição – releitura autorizada de um verso de Rogério Luz, em seu livro “Escritas”– trata de uma questão importante para Stella. – Toda obra de arte requer um “silêncio” interior, um momento de reflexão essencial para se apreender a extensão do que se está vendo. É justamente esse silêncio que faz com que cada pessoa perceba a obra de uma forma absolutamente única e particular – diz a artista.

O crítico de arte Paulo Sérgio Duarte, curador do espaço, destaca dois aspectos principais de sua obra: – O trabalho de Stella reafirma a persistência da pintura como expressão da arte contemporânea brasileira. A produção brasileira contemporânea sempre foi muito forte na pintura em si, e sua obra é uma evidência disso – explica. – Mas uma das características mais específicas da arte de Stella Da Poian é a capacidade de explorar a delicadeza, mesmo dentro de uma obra potente e forte. Toda a sua produção é envolta em delicadeza – declara. Stella Da Poian vive e trabalha no Rio de Janeiro e começou a exibir suas pinturas em 1991.

Até 19 de abril.

SÍMBOLO DE JOANA CESAR NA ATHENA

A galeria Athena Contemporânea, expõe pela primeira vez em uma individual em galeria os trabalhos de Joana Cesar. Identificada como a autora de misteriosas pinturas de símbolos indecifráveis espalhadas pelos muros da Zona Sul do Rio de Janeiro, Joana Cesar contou ao mundo, em um alfabeto particular, seus segredos que na adolescência eram escritos em uma agenda, entre relatos de desejos, angústias e frustrações.  Para essa exposição, intitulada de “fuga>lenta”, Joana Cesar irá apresentar onze placas de aço galvanizadas, de tamanhos variados, que já trazem camadas sucessivas dos resíduos naturais do caos urbano. Esse será o suporte principal para receber as suas intervenções, com diversos tipos de materiais como spray, pigmentos, colagens e  caligrafias feitas com pincel oriental & nanquin. Além disso, a artista vai realizar um trabalho site specific, uma interferência diretamente em umas das paredes no espaço interior da galeria: um painel com cerca de 300x 250cm. A parceria de Joana com a Athena Contemporânea teve início através da expert Vanda Klabin, que foi convidada para assinar a curadoria de uma exposição na galeria e escolheu os trabalhos de Joana para realizar a mostra. “O fazer artístico de Joana Cesar envolve todo um sistema de signos cifrados que ganham cores e formas nessa exposição, e fazem parte de sua mitologia pessoal. Eles são utilizados como uma espécie de dispositivo do cotidiano,  como uma forma de equivalência poética para expressar a sua linguagem plástica” diz a curadora.

Até 05 de maio.

INÉDITOS DE MANFREDO

Manfredo de Souzanetto, artista mineiro de Jacinto, faz sua estreia na Galeria Marcia Barrozo do Amaral, Copacabana, Rio de Janeiro, RJ. Na mostra batizada de “Organometros” ele apresenta séries inéditas de pigmentos sobre tela e desenho, totalizando 12 trabalhos, onde expõe claramente o desenvolvimento em suas obras da paisagem mineira à geometria. Segundo o artista, as linhas, feitas com bastão de óleo que ele importa de Paris, onde já residiu,  introduzem um diálogo com a geometria e criam uma relação dinâmica com a superfície. Manfredo de Souzanetto é, certamente, um dos mais pertinentes e criativos artistas brasileiros contemporâneos. Desenvolveu uma linguagem específica e personalizada e é considerado um dos mais promissores de sua geração, tendo um amplo transito no Brasil onde vem construindo expressivo currículo, e na Europa, onde nos últimos anos tem exposto com regularidade. Nos últimos dois anos fez uma série de exposições no circuito do Instituto Moreira Salles;  uma panorâmica de sua obra no Centro Cultural Correios – Rio de Janeiro, na Caixa Cultural em Brasília; uma exposição individual no Kulturtorget em Stavanger, Noruega; em 2009 fez uma grande exposição de suas obras no Centro de Arte l’Espal em Le Mans na França, e na Galeria Pascal Gabert em Paris; e em 2010 realizou a exposição “Litoral” no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro com sua produção mais recente: pinturas e esculturas em madeira.

De 12 de abril a 12 de maio.

INÉDITOS DE VERA CHAVES BARCELLOS

Artista de longa experiência, a multimídia Vera Chaves Barcellos expõe, no StudioClio, Cidade Baixa, Porto Alegre, RS, “Memória de um Rio”, obra inédita, datada de 1980. Trata-se “…da mesma visão de uma janela debruçada sobre o Rio Guaiba e suas mudanças de luz são captadas através de rápidos e pequenos desenhos a lápis de cor. O ângulo de visão é sempre o mesmo: uma pequena franja de terra, o céu e o rio”. Com os mesmos princípios e ponto de vista, foi realizado um filme super-oito que também poderá ser apreciado na mostra, em versão digital. A partir dos desenhos originais foram realizadas cópias digitais sobre papel algodão, assinadas e seriadas, além de uma versão em DVD do filme.

Até 27 de abril.

LEILA PUGNALONI NO RIO

 

A exposição “Onda”, exposição individual da artista visual Leila Pugnaloni na galeria Colecionador, Copacabana, Rio de Janeiro, RJ, recebeu curadoria de Marco Antonio Teobaldoe organização de Ludwig Danielian. A mostra é dividida em duas partes distintas: uma seleção de desenhos e um conjunto de pinturas da série “Módulos de luz”, em que a artista trabalha com as questões de volumes tridimensionais e o reflexo das cores sobre as áreas vazias. Com mais de 25 anos de experiência na orientação de desenho de figura humana, a artista exibe pela primeira vez trabalhos em que poucas linhas e precisas definem os corpos e silhuetas, às vezes de forma minimalista. Paralelamente aos seus desenhos, a artista vem produzindo um trabalho em pintura elogiado por Paulo Leminski, Paulo Herkenhoff, Tadeu Chiarelli, dentre outros. Influenciada por Volpi, Tarsila do Amaral e pelo Concretismo, criou um estilo que reflete o seu pensamento sobre a questão urbana contemporânea. Esta inquietação “fez com que a artista trouxesse a sua pintura para outro planos fora do limite imposto pelas telas”, afirma o curador Marco Teobaldo. De 12 de abril a 16 de junho.

LIVRO DE NAN GOLDIN

05/abr

Sábado, 7 de abril, entre 16h e 19h, acontece o coquetel de lançamento do catálogo-livro “Heartbeat”, Editora Barléu, sobre a exposição de Nan Goldin, no espelho d’água próximo à Cinemateca do MAM – Rio, Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, RJ. Esta é a primeira publicação sobre a artista no Brasil. A mostra se encerra, no domingo, 8 de abril. Durante o evento, aberto ao público, o DJ Andrei Britto toca uma  set list baseada na trilha sonora dos slideshows da artista. O som vai de Lou Reed e Velvet Underground a Maria Callas cantando a ópera “Norma” e Björk e o Brodsky Quartet, interpretando a composição de Sir John Tavener, “Prayer of the heart”. Sob patrocinio da Secretaria de Estado de Cultura, através da lei de incentivo, “Heartbeat” tem 112 páginas, 59 imagens, formato 23 x 30 cm, capa dura e tiragem de 2.000 exemplares. Além dos textos críticos dos curadores Ligia Canongia e Adon Peres, o livro inclui uma seleção de fotos presentes na mostra e outras inéditas, como a série de imagens de travestis que Nan Goldin fez em São Paulo, em 1996. “Heartbeat” tem organização editorial de Ligia Canongia, edição de imagens da Nan Goldin e design gráfico de Fernando Leite.

REVENDO A OBRA DE POTY

“Poty, de todos nós reúne 800 itens da produção de um dos mais expressivos e originais artistas brasileiros, Poty Lazarotto. A mostra, que tem curadoria de Oswaldo Miranda – Miran -, ocupa o salão principal, o Olho, do Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, Paraná. esta exibição apresenta desde desenhos de infância, passando pelo material que ele produziu durante a temporada em que estudou na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, até gravuras e outros conteúdos realizados ao longo de sua existência. Há materiais que nunca foram apresentados ao público, a exemplo de fotos que registram o convívio de Poty com a família e bilhetes e recados bem-humorados que fazia para se comunicar com Célia, sua mulher. A exposição também abre espaço às ilustrações feitas por Poty, para obras literárias, e para o trabalho em murais e vitrais. Além de estudos pouco conhecidos, como a viagem que realizou ao Xingu, e os esboços para o desenvolvimento do livro “Curitiba, de nós”. Miran revela que essa experiência de curador evidenciou, para ele, entre outras descobertas, o poder de síntese do Poty. “Sempre pensei que ele atingia aquele ponto de estilização, assim, de imediato. Mas não. Realmente tinha muito estudo e sua técnica se aprimorava a cada desenvolvimento. Poty não era um artista acomodado ao estilo que conquistou”, afirma Miran.

Até 05 de agosto.

ZALSZUPIN NO MON

A mostra “Jorge Zalszupin: Arquitetura, design e reedição”, cartaz atual do MON, Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, Paraná, reúne 44 peças de tiragem única e 13 unidades de reedição, entre poltronas, escrivaninhas, cadeiras e banquetas. A curadoria é de Consuelo Cornelsen. O artista polonês migrou para terras brasileiras após a Segunda Guerra Mundial e aqui encontrou a paz que diz não ter conhecido na Europa. “Zalszupin imprimiu em suas obras o aconchego que encontrou no Brasil. É o bom estar no bem-estar”, afirma a diretora do MON, Estela Sandrini. Durante a segunda metade do século 20, Zalszupin abriu a L’Atelier, em São Paulo, espaço no qual passou a projetar móveis em pequenas séries. Em pouco tempo, se tornou referência do design nacional. “Aqui, os ventos da Era JK viabilizaram voos e assim se fizeram a Bossa Nova, o Cinema Novo e a arte de Jorge Zalszupin”, diz Estela Sandrini, a respeito da modernidade de Zalszupin. Durante o perído de exposição, será projetado um documentário sobre o percurso de Zalszupzin, de aproximadamente 40 minutos, o filme é dirigido por Carlos Deiró. “Mais que uma exposição, “Jorge Zalszupin: Arquitetura, design e reedição” é uma homenagem ao grande artista e inventor que, inclusive, vai comemorar os seus 90 anos em Curitiba”, diz a curadora.

Até 24 de junho.

 

Um documentário sobre o percurso de Zalszupzin, de aproximadamente 40 minutos, dirigido por Carlos Deiró, será projetado na Sala 6 até 24 de junho, período em que a mostra estará em cartaz. “Mais que uma exposição, ‘Jorge Zalszupin: Arquitetura, design e reedição’ é uma homenagem ao grande artista e inventor que, inclusive, vai comemorar os seus 90 anos em Curitiba”, diz a curadora, Consuelo Cornelsen.

RETROSPECTO DA OBRA DE VISCONTI

04/abr

O Museu Nacional de Belas Artes, Centro, Rio de Janeiro, RJ, exibe “Eliseu Visconti – A modernidade antecipada”; retrospecto sobre a obra do pintor Eliseu Visconti, com cerca de 230 obras abrangendo todos os temas e gêneros de pintura praticados pelo artista: paisagens, retratos, composições, decorações, painéis, design, cerâmicas, todas as vertentes de sua eclética produção. Visconti concluiu sua formação artística em Paris, em plena Belle Époque, absorvendo influências das escolas simbolista, pontilhista, impressionista e do art-nouveau; tornando-se no Brasil o mais importante artista da transição para a modernidade. Visconti foi quem mais solidamente representou o impressionismo entre nós. Poderão ser admiradas obras de coleções particulares, algumas expostas pela última vez há mais de 100 anos, como “A convalescente”, de 1896, exibida em Paris, Munique e Saint Louis, e encontrada graças à divulgação da exposição, e “Sonho místico”, adquirida pelo Governo do Chile em 1910.

Até 17 de junho.

Sua mensagem foi enviada com sucesso!