Olá, visitante

AGENDA CULTURAL

BIENALSUR na 36ª ARCOmadrid

 

O uruguaio Dani Umpi é o artista convidado para a primeira “apresentação pública” da Bienalsur- bienal inédita que acontecerá simultaneamente de setembro a dezembro deste ano em mais de 30 cidades da América do Sul, Europa, África, Ásia e Oceania. Dani Umpi, com uma performance que sintetiza as diferentes dimensões da arte sul-americana e faz referência ao Parangolé de Hélio Oiticica, ocupará o espaço da BIENALSUR durante a feira ARCOmadrid 2017, que acontece entre os dias 22 e 26 de fevereiro. Com grandes camadas de recortes de revistas, o artista cria parangolés gigantes que o envolvem, e incorpora mantras no ritmo eletropop, cantando músicas próprias e brasileiras, que lembram sua infância nos anos oitenta. Através da criação de um personagem híbrido, Umpi trafega nas fronteiras entre o real e o conceitual, o espaço dos museus e os espaços alternativos, a indústria cultural e a cultura popular.

 

Refletir sobre o presente e futuro da criação artística é um dos objetivos da BIENALSUR, cuja primeira edição vem sendo construída desde o final de 2015, através de “jornadas de diálogo”, realizadas em cinco países, com a participação de um grupo de intelectuais e gestores culturais – artistas, curadores, colecionadores, diretores de museus públicos e privados e universidades. Onze encontros já foram realizados e é a primeira vez na história das bienais que vários países são promotores de uma iniciativa.

 

Organizada a partir da Universidade Nacional Tres de Febrero (UNTREF), em Buenos Aires, a BIENALSUR é dirigida por AnibalJozami, reitor da Universidade e fundador do Museo de laInmigración y el Centro de Arte Contemporáneo, o MUNTREF, Diana Wechsler, professora titular de Artes da Universidade de Buenos Aires, diretora de arte e cultura da UNTREF e subdiretora do MUNTREF, também participa da coordenação do projeto. Tadeu Chiarelli, Christian Boltanski, Ticio Escobar, Fernando Farina, Estrella de Diego são assessores da coordenação.

 

 

O que é a BienalSur?

 

O jogo de palavras BienAlSur (Bem ao Sul) reflete a construção de alianças e aproximação de povos e culturas através da arte. A proposta nasceu na Argentina e conta com a participação de centenas de artistas, duas dezenas de universidades dos diferentes continentes, além de diretores e curadores dos museus Reina Sofía, de Madri, Hirshhorn, de Washington, Bellas Artes de Chile, Arte Contemporâneo de Lima, Banco de la República de Colômbia, Pinacoteca de São Paulo, espaços de arte da Venezuela, Equador, Colômbia, Peru e Uruguai, Akademir der Künste de Berlim e fundações de empresas europeias dedicadas à arte.

 

A BIENALSUR trabalha com o conceito de processo presente na arte contemporânea, não tem uma temática central nem curador principal. Para selecionar os projetos que farão parte das mostras simultâneas da BIENALSUR foram lançados dois concursos internacionais (projetos curatoriais e propostas de artistas), de caráter livre, com o objetivo de estimular a formulação de propostas que não poderiam ser executadas fora dos marcos excepcionais de uma bienal.

 

A chamada para apresentação de projetos foi fechada em 30 de setembro último, com a marca de 2.543 projetos (300 brasileiros) de 78 países. No dia 30 de janeiro foram anunciados os 377 pré-selecionados: 36 artistas e cinco curadores brasileiros estão contemplados​, entre eles Eduardo Srur, Regina Silveira, Elisa Bracher, Ivan Grilo, Shirley Paes Leme, Paulo Nenflidio e Jaime Laureano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protected by WP Anti Spam

Sua mensagem foi enviada com sucesso!