Intervenção urbana

O Projeto “Um índio na cidade” inicia com performance artística com índio e horta medicinal indígena para a sociedade civil cultivar e colher. “Em meio ao caos, o índio chega à cidade para passar seus ensinamentos de amor, compreensão, amizade e carinho com a Natureza”. Começou no Galpão das Artes o projeto “Um Índio na Cidade”, idealizado pelos artistas da CAW, à frente os parceiros do GAU Herik Wooleefer e Ju Yao. O projeto tem várias etapas e se estenderá até o mês de agosto, para lembrar e reforçar a reflexão sobre os valores culturais dos povos indígenas e a importância da preservação e respeito a esses valores. Foram dois anos de pesquisa de campo pelo diretor geral da CAW. A pesquisa foi realizada em tribos indígenas da Amazônia, Espirito Santo, e países do Mercosul, vivenciando os costumes e tradições. As tribos mostram e cultivam a resistência, cultura, ecologia, saúde, arte, força, ensinamentos centenários, fé e sustentabilidade, tudo com uma administração indelével, e economicamente equilibrada, quando não conseguimos ver tal habilidade nas cidades, lembrando da eficiência em preservação e conservação, além dos ensinamentos medicinais naturais. Estima-se que esta população tenha chegado a cinco milhões de habitantes, contudo, hoje são cerca de 300 etnias, com um número muito inferior ao que já foi (421.000). As principais tribos indígenas atualmente no Brasil são: Guarani, Ticuna, Caingangue, Macuxi, Terna, Guajajaras, Ianomâmi, Xavante, Pataxó e Potiguara. Antes da chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral havia ao menos mil. Hoje, os índios brasileiros ainda compartilham 150 línguas e dialetos e parte do repertório que já foi incorporado pelo português, como mandioca, Curitiba, Aquidauana, Iguaçu, tapioca, entre outros. O minimalismo do projeto, foi criado com base na pesquisa, respeitando os costumes e rituais. Talvez seja a arte mais afinada e refinada com o perfeccionismo. Leveza misturada com a atenção humana, sendo fatal movimentos bruscos na sua construção, danificando assim a obra. Uma construção delicada e insistente, fortalecendo o uso da coordenação motora fina com todo o significado cultural e artístico das pinturas corporais indígenas. Paralelamente, Herik Wooleefer deu início à intervenção urbana “Horta Medicinal Indígena”, com plantio de plantas tradicionais, adubadas com lixo orgânico, como casca de ovo, pó de café e casca de banana. Ficando de 01 de março a 30 de agosto, disponível para a sociedade cultivar e colher sem nenhum custo. Oficinas de plantio e consumo de plantas medicinais são oferecidas de modo gratuíto para escolas, como construção de uma geração com menos consumo de agrotóxicos e dependência em medicamentos, quando as ervas indígenas são suficientes.

 

O lançamento do projeto contou com performance criada pelo artista plástico Herik Wooleefer, sob a curadoria de Ju Yao e participação do ator Rodrigo Becker, representando a chegada do índio, caracterizado com seus trajes e pinturas tradicionais, também criada com detalhes. Expandindo na linguagem teatral infantil para o Teatro Armando Gonzaga, em Marechal Hermes na cidade do Rio de Janeiro nos dias 13,14, 20 e 21 de Abril com presença dos atores, Gustavo Celeste, Guilherme Gandolfo, Geysilane Marques, Matheus Porto, Vitor Senra, Gabi Neves, Alexandre Alves, Alessa Gomes e José Santos, com texto e direção de Herik Wooleefer, reforçando um comportamento social que precisa urgente mudar, para termos um meio ambiente saudável para nós e para as próximas gerações.

 

Intervenção Urbana – “UM ÍNDIO NA CIDADE”

 

De 01 de março a 30 de agosto – segunda a sexta – Grátis

Horário: 09:00 às 16:00 horas

Local: Galpão das Artes Urbanas, Av. Padre Leonel Franca s/nº – Gávea/RJ

Espetáculo Infantil – “UM ÍNDIO NA CIDADE”

Dias 13, 14, 20 e 21 – 16:00 horas – R$ 15,00/meia

Local: Teatro Armando Gonzaga, Av. Gal Osvaldo Cordeiro Farias, 511, Marechal Hermes/RJ.